Alterar o idioma do Blog

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Morosidade da Justiça favorece o réu e aumenta a sensação de impunidade, principalmente entre os gestores públicos.

A morosidade da Justiça favorece o réu e aumenta a sensação de impunidade, o que incentiva a prática de abusos e ilegalidades, principalmente entre os gestores públicos.
    
Um exemplo marcante da morosidade do judiciário é o processo movido pela ASERT na gestão do já falecido presidente da ASERT o saudoso professor Israel, processo este contra a prefeitura de Tucuruí por apropriação indébita de dinheiro descontado em folha de pagamento dos funcionários da Prefeitura de Tucuruí, e que não foi repassado para a Associação, fato ocorrido em 2009, na gestão do atual prefeito Sancler Ferreira (PPS).
    
Veja, a ASERT deu entrada no processo no Fórum em 08/05/2009, mas somente no dia 14 de Agosto de 2012 (Três anos e três meses depois), foi marcada audiência para o dia 21/05/2013, ou seja, quatro anos depois, e é só para a audiência, neste ritmo a decisão deverá sair após o término do próximo mandato do atual prefeito, isso só na primeira instância. O Israel não viveu o bastante para ver julgado este processo, e com esta lentidão somente os seus netos ou bisnetos viverão o bastante para ver a justiça ser feita, se é que vai ser feita algum dia.
   
Agora nos perguntamos: Com a certeza de que não será punido (provavelmente o crime vai prescrever antes), o que impede o prefeito de continuar a se apropriar indevidamente do dinheiro dos funcionários e/ou cometer outras arbitrariedades ainda mais graves, se existe a certeza de que com a lentidão da justiça e com os inúmeros recursos à sua disposição não haverá punição para os seus atos?
   
Infelizmente esta é a realidade deste país, em especial do Pará. A morosidade do judiciário favorece a impunidade e incentiva a prática de atos ilegais, principalmente dos agentes públicos. A Justiça é a única defesa do cidadão contra os abusos dos poderosos, cometidos contra os cidadãos, contra o erário público e contra a sociedade como um todo.
   
Sem um judiciário eficiente e célere não existe democracia e não existe justiça, e sem justiça a sociedade está à mercê de práticas abusivas e ilegais dos poderosos, permanecendo o cidadão indefeso contra as investidas e ilegalidades dos que usam o poder em benefício próprio.
   
Sem justiça, o direito sucumbe e prevalece a Lei do mais forte e se tem no mínimo uma ditadura disfarçada de democracia.
   
É este o Brasil que nós queremos e é este o país que vamos deixar para os nossos filhos e netos?
   
Pensem bem.
   
Processo da ASERT contra a PMT.
   

3 comentários:

  1. contra o carater nada funciona:ocara ter dinheiro,mansão,influencia política...kkkkkkk!

    ResponderExcluir
  2. Com certeza amigo anônimo, mas o que nos deixa mais desiludido é que os maus caráteres só tem tido vitórias, e as pessoas de bem em situação difícil. Quanto à morosidade do Judiciário, há um contrasenso enorme, pois as autoridades desse Poder não cumprem suas metas nos prazos legais e depois iludem partes e advogados com outras metas, 1, 2, e 3, além de semanas de conciliação, multirão da Justiça e outras invenções para inglês ver. Basta falar com qualquer advogado e sentir que isso é verdade. Só são movimentados os processos que tenham certas influências externas. Não deixem de publicar, senão não serei mais leitor assíduo deste Blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não publicamos apenas os comentários contrários à diretriz do Blog e comentários que podem prejudicar a nossa imagem ou nos causar problemas na justiça.
      O que os visitantes tem que entender é que na verdade não existe comentário anônimo de fato.
      Quando o visitante não assina o comentário e nós publicamos, assumimos total responsabilidade pelo que foi escrito, como se o comentário fosse nosso,e passa a ser mesmo.
      De fato perante a Lei comentários anônimos são proibidos, desta forma assumimos toda e qualquer responsabilidade pelo que publicamos, neste caso o comentário deixa de ser anônimo e passa a ser comentário do Blog.
      Portanto até podemos publicar comentários contrários à nossa forma de pensar, mas nunca comentários contrários ao nosso senso ético e de justiça.

      Excluir

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, racismo, homofobia, misoginia, discurso de ódio e intolerância de qualquer tipo, serão moderados e publicados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!