Alterar o idioma do Blog

sábado, 21 de maio de 2011

O fim dos mitos verdes - III Final

Novas pesquisas mostram que bom mesmo é comer alimentos importados, dirigir carro usado e esquecer essa história de conferências climáticas. Isso se você realmente quer evitar que o mundo vire uma estufa 

4. PRECISAMOS DAS CONFERÊNCIAS CLIMÁTICAS.

Que nada, elas não costumam passar de discussões sem fim. Enquanto líderes mundiais se reuniam em Cancun para a 16ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas em dezembro passado, o site WikiLeaks soltou um documento que desnudou os esforços diplomáticos dos países presentes. Ele revelava que, no encontro anterior, na Dinamarca, Estados Unidos e China juntaram esforços para sabotar qualquer acordo que obrigasse os países a reduzirem suas emissões de CO2. 

Com os dois maiores poluidores do mundo contra as decisões coletivas, a reunião acabou se resumindo a um desfile de personalidades: “Apareceram o Lula, a Dilma, a Marina Silva, o Serra... Essas reuniões tendem a ser um grande blablablá”, diz Marco Antonio Fujihara, diretor da consultoria de soluções sustentáveis Key Associados. Ele já participou de 13 conferências climáticas como representante do setor empresarial e industrial. “São 190 países e o princípio é o do consenso”, diz o economista da Universidade de São Paulo (USP) José Eli da Veiga, especializado em desenvolvimento sustentável, com mais de dez livros sobre o tema. 

Ou seja, se um país discordar de uma proposta, ela não vai adiante. “O G20 concentra no mínimo 90% das emissões mundiais. Se ele fizer um acordo, teria uma chance imensa de ser aprovado”, diz, se referindo ao grupo dos 20 países mais ricos do mundo.

5. RECICLE, RECICLE, RECICLE

O mantra parece ter encontrado uma concorrência explosiva. Um relatório da Institution of Mechanical Engineers, organização que reúne engenheiros mecânicos do Reino Unido, de 2008, recomendou ao governo britânico queimar parte dos 300 milhões de toneladas de lixo produzidos por ano no local para gerar energia.

Em Viena, na Áustria, na planta industrial de Spittelau, a técnica remove da cidade 263 mil m3 de lixo (suficiente para encher 105 piscinas olímpicas) e os transforma em calor para aquecer 190 mil residências. A queima tem controle de emissão de poluentes na atmosfera e pode gerar, além de calor, energia elétrica e combustível. No final, sobram cinzas, que vão para um aterro.

A incineração não é regra — para vidros e metais seria mais eficiente a reciclagem, índice que chega a 91,5% no caso das latas de alumínio no Brasil. Além disso, essas matérias-primas não têm poder de combustão, ao contrário do papel e, especialmente, do plástico. Esse último, como bom derivado fóssil, pega fogo rápido. E possibilita o improvável: reaproveitar petróleo. “Cerca de 95% de sua extração é para produzir energia e 5% vira plástico. 

Aproveitar o poder de combustão contido nesses plásticos é usar duas vezes sua matéria-prima: primeiro como um material, depois como energia”, diz a pesquisadora Eloísa Garcia, do Instituto de Tecnologia de Alimentos de São Paulo.

6. COMPRE UM CARRO ELÉTRICO.

"SE ALGO ELÉTRICO PUDESSE SALVAR O MUNDO, EM VEZ DE CRUCIFIXO TERIA MUITA GENTE COM UMA TORRADEIRA PENDURADA NO PESCOÇO".

Manter o que você já tem na garagem pode ser uma opção melhor. A grande defesa do carro elétrico é ele emitir menos CO2 na rodagem por não usar combustíveis fósseis. No entanto, sua fumaça não sai do escapamento, mas das usinas de eletricidade. E aí, a matriz energética do país passa a importar mais que o tipo de carro eleito.

Um estudo feito por Reed Doucette, pesquisador do departamento de engenharia de Oxford, na Inglaterra, compara as emissões de CO2 de carros elétricos e convencionais em países com matrizes energéticas distintas. Na China e Índia, que usam combustíveis fósseis para gerar energia, o desempenho do automóvel movido a eletricidade foi desanimador, chegando em algumas situações a poluir mais do que o carro convencional. “A menos que os países descarbonizem suas matrizes energéticas, os carros elétricos vão diminuir muito pouco, em alguns casos até aumentar a emissão de CO2”, afirma Doucette.

Nos países em que a fonte energética é menos poluente, o elétrico poderia valer a pena. O estudo de Doucette apontou que, na França, que tem energia predominantemente limpa, o automóvel elétrico se saiu bem em relação ao concorrente a gasolina. O resultado poderia valer para o Brasil. Ainda assim, há uma alternativa que pode ser mais verde: o carro usado, em bom estado.

A fabricação de um automóvel é altamente poluente. Um elétrico, como o Toyota Prius, feito no Japão (que usa fontes sujas de energia), emite em sua produção a mesma quantidade de CO2 que um carro a gasolina ao longo de 64 mil quilômetros rodados. Então, o melhor pode ser usar um carro em que esse débito já esteja quitado. “Se você tiver um automóvel eficiente (digamos 17 km por litro) e não dirigir tanto assim, o melhor seria mantê-lo. Mas não se esqueça de fazer a manutenção", diz Mike Berners-Lee, autor de How Bad Are Bananas? The Carbon Footprint of Everything (O Quão Ruins São as Bananas ?: A Pegada de Carbono de Tudo, inédito em português).

Um comentário:

  1. Voltei caros eleitores da folha vocês lembram do ex-presidente do conselho de saúde, pois é o edivan esse mesmo com caro de bonzinho, mais um coração do d.........vou contar a nova dele lembra do caso do nosso amigo marconi pois é ele esta doente em marabá esse edivan foi acompanha-lo sabe o que aconteceu solicitou ao secretario de saúde diária para ficar com ele como acompanhante acredito que marconi e a carajás não sabem disso o secretario tirou do bolso um quantia não sabemos quanto mais tirou claro que não era dele e sim da fundo municipal pois bem agora o edivan não sai da secretaria cobrando mais diária agora leva tiracolo a presidente da padre henrique aquela que todos nos conhecemos a ex-mulher do foguinho ( vanusia) essa mesmo os dois não sai da secretaria de saúde em reunião fechada com esse secretario sejamos que tanto assunto eles tem será que querem passar a perna na atual presidente do conselho fica de olho elisabeth pinto estão armando para o conselho vocês sabiam que ele não aparece na reunião do conselho desde quando perdeu a eleição as más línguas dizem que o prefeito paga para ele ficar distribuindo cds com as obras executada pergunto que obra são essas que não existem a vanusia tem um parente na secretaria trabalhando para o charles isso pode conselho verifique esse secretario esta cercado de incompetente e se tem dois conselheiro que não conhece o seu papel no conselho a vanusia entra muda e sai muda da reunião do conselho e o edivan serve cafezinho e água para o secretario de saúde isso quando aparecia nas reuniões. Aguardem mais informação desses conselheiros. Um aviso ao secretario não pague diária do bolso, pode fazer falta amanhã...

    ResponderExcluir

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, racismo, homofobia, misoginia, discurso de ódio e intolerância de qualquer tipo, serão moderados e publicados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!