Alterar o idioma do Blog

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Membros do TRE pedem investigação sobre gravação em que políticos falam em corromper juízes

O pedido foi feito na semana passada ao Ministério Público Federal e à Advocacia-Geral da União. Todos os envolvidos já estão sendo investigados.
   
O Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE) enviou, no último dia 31 de outubro, informações ao Ministério Público Federal (MPF) e à Advocacia-Geral da União (AGU) sobre uma gravação em que o ex-prefeito de Marituba, Antônio Armando Castro, e o prefeito de Marabá, João Salame Neto, conversam sobre a possibilidade de pagar membros do Tribunal para obter resultados favoráveis em processos de cassação. Salame foi julgado nesta terça-feira, 5 de novembro, pelo TRE acusado de compra de votos na eleição de 2010. Ele teve o mandato cassado por três votos a dois.
     
A gravação da conversa entre Antonio Armando e João Salame foi enviada ao presidente do TRE, desembargador Leonardo de Noronha Tavares, pelo advogado Inocêncio Coelho. Inocêncio é advogado de João Salame no processo que tratava de sua cassação. Durante a conversa, Antônio Armando afirma diversas vezes ter intermediado o pagamento de propinas a membros do Tribunal, conseguindo, segundo ele, evitar cassações de outros políticos.
      
Atendendo ao pedido do TRE, o MPF requisitou à Polícia Federal que investigasse os fatos, em inquérito policial que, neste momento, corre em segredo de justiça. A Advocacia-Geral da União, que tem a função de defender a corte eleitoral, irá, ainda nesta semana, interpelar judicialmente o ex-prefeito Antônio Armando para que confirme as afirmações que faz na gravação. 
   
Ministério Público Federal no Pará
Assessoria de Comunicação
(91) 3299-0148 / 3299-0177 / 8403-9943 / 8402-2708
ascom@prpa.mpf.gov.br
http://www.prpa.mpf.mp.br/
http://twitter.com/MPF_PA
http://www.facebook.com/MPFPara
       

4 comentários:

  1. Em confirmada a denúncia, decisões do TRE/PA quanto a processos absolvendo prefeitos acusados por crimes eleitorais no Pará ficam sob suspeita e deveriam ser revistos.

    ResponderExcluir
  2. O Salame não é de brincadeira, chutou o pau da barraca e entregou todo mundo para a PF. Demorou muito, isso já deveria ter sido feiro há muito tempo.

    ResponderExcluir
  3. Parece que o denunciante tentou corromper mais não conseguiu, e por isso entregou a gravação. Por que não fez antes do início da 1ª votação. Chegou até a empatar os votos, e só quando viu que a casa caiu ....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É simples, o denunciante não tinha certeza e foi pessoalmente no tribunal para conferir, imagine se ele denuncia e é absolvido? Tudo tem a sua hora.
      O Dr. Inocêncio Coelho é um dos melhores advogados do Estado do Pará, seria no mínimo tolice ou má fé, acreditar que ele faria uma denuncia deste tipo contra membros do TRE, sem embasamento, colocando desta forma seu nome e seu prestígio em jogo em uma denuncia falsa e sem fundamento.
      É consenso entre os juristas que esta decisão será derrubada no TSE, pois a mesma carece de amparo e sustentação jurídica.
      O seu comentário também carece de sentido e de lógica, parece que a vingancinha pessoal de alguns políticos os fez dar com os burros n'água desta vês. Mexeram com o cara errado, é o que dá excesso de confiança..
      Salame não é o Bersa Jones, ele tem bala na agulha e sabe se defender.
      Mas vamos aguardar as investigações da Polícia Federal para que a verdade venha à tona, dinheiro sempre deixa rastro, sabendo onde e com quem procurar, as investigações quase sempre costumam lograr êxito.

      Excluir

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, racismo, homofobia, misoginia, discurso de ódio e intolerância de qualquer tipo, serão moderados e publicados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!