Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Criado aparelho eletrônico capaz de diagnosticar centenas de doenças


        
Imagine a enorme utilidade de um dispositivo portátil capaz de diagnosticar centenas de doenças – da pneumonia à ebola – analisando uma única gota de sangue. É algo capaz de revolucionar amedicina.
   
E é isso que faz o rHEALTH, aparelho criado por engenheiros e pesquisadores da DMI, uma empresa da região de Boston, nos Estados Unidos. Ele é o mais próximo que já se chegou do Tricorder, o fictício dispositivo de diagnóstico instantâneo dos filmes e seriados “Jornada nas Estrelas”.
 
O projeto do rHEALTH teve financiamento da NASA, que pretende usá-lo para conferir a saúde dos astronautas à distância. O Instituto Nacional de Saúde americano e a Fundação Bill e Melinda Gates também o apoiam.
   
Nesta semana, o grupo da DMI foi o vencedor do Nokia Sensing XChallenge, um prestigiado prêmio da XPrize Foundation para projetos que usam sensores eletrônicos na área de saúde.
   
Como funciona
   
O rHEALTH usa tecnologias já conhecidas, mas arranjadas de maneira engenhosa. O usuário faz um furinho no dedo com uma agulha e deixa cair uma gota de sangue num receptáculo. Lá, o sangue se mistura a tiras reagentes nanoscópicas antes de ser absorvido por um finíssimo tubo em espiral.
       
Um raio laser varre o tubinho transparente. Sensores detectam as variações na luz que atravessa a amostra de sangue para identificar mudanças de coloração nas nanotiras reagentes.
   
Essas mudanças indicam a dosagem de determinadas substâncias no sangue. Se esse mesmo exame fosse feito num laboratório convencional, exigiria 1.500 vezes mais sangue e seria muito mais caro e demorado.
 
Sensores adesivos
       
O rHEALTH ainda pode combinar os resultados do exame de sangue com outras informações sobre o paciente. Para isso, a equipe da DMI desenvolveu um conjunto de sensores que são aplicados à pele da pessoa como se fossem um Band-Aid.
     
Esses sensores captam informações adicionais como a temperatura corporal e a frequência cardíaca, que são enviados, via Bluetooth, ao rHEALTH ou a um smartphone. Os dados são processados por um aplicativo, que procura fazer um diagnóstico da saúde do paciente.
   
Eugene Chan, líder do grupo que criou o rHEALTH, diz que o aparelho é confiável para determinar várias doenças hematológicas, dosar a vitamina D e detectar diversas proteínas que funcionam como marcadores de doenças.

A equipe da DMI trabalha na ampliação dessa lista enquanto mais testes são feitos com o aparelho. Depois, vem a complicada fase de transformar protótipos em produtos comerciais.
     
Três modelos
       
A DMI desenvolve três modelos diferentes do rHEALTH. O modelo maior tem o tamanho de uma caixa de sapatos e é voltado principalmente para pesquisas em medicina. Para essa aplicação, ele poderá passar por um processo de aprovação simples. Poderá estar à venda em poucos meses.
   
O modelo intermediário é dirigido às clínicas médicas, hospitais e consultórios. O menor cabe no bolso e é voltado para os consumidores. Ambos terão de percorrer um longo caminho até serem aprovados pela FDA, o órgão americano que regulamenta produtos médicos e alimentos.

        

Nenhum comentário:

Postar um comentário

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, ou afirmações negativas baseadas em “opiniões” ou suposições, tendo como objetivo perseguições pessoais ou politico partidárias, contra pessoas e/ou instituições, e não em FATOS concretos que se possa comprovar, serão moderados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!