Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

sábado, 1 de março de 2014

Auditor do TCM é condenado a 12 anos de reclusão

Do Blog da Franssinete

       
       
O juiz federal Rubens Rollo D’Oliveira, da 3ª Vara da Seção Judiciária do Pará, condenou o auditor do TCM-PA Luiz Fernando Gonçalves da Costa a 12 anos de reclusão, a ex-chefe de gabinete da prefeitura de Tucuruí, Maria Auxiliadora Gomes de Araújo, a 10 anos e oito meses de prisão, e o professor Francisco Solano Rodrigues Neto, do antigo Centro Federal de Ensino Tecnológico do Pará, atual Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, a oito anos de cadeia, por fraudes na administração das verbas públicas federais destinadas ao Cefet, no período de 1993 a 2001. 
      
Em novembro de 2011, o mesmo magistrado já tinha condenado 12 réus em outro processo também referente a fraudes no Cefet. O juiz decretou, ainda, a perda de cargo público dos agora condenados, que poderão apelar ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília (DF). 
     
Foram excluídos da lide sete denunciados - Wilson Tavares Von Paumgartten, Carlos de Souza Arcanjo, Fabiano Assunção Oliveira, Regina Célia Fernandes da Silva, Maria Rita Vasconcelos da Cruz Quaresma, Maria Francisca Tereza Martins de Souza e Sérgio Cabeça Braz –, já julgados em outro processo. As acusadas Júlia Luna do Socorro Cohen Assunção e Sônia de Fátima Rodrigues Santos foram absolvidas por insuficiência de provas. 
      
O juiz Rubens Rollo se disse convencido de que Luiz Fernando Costa atuou na condição de sócio oculto da empresa MLC Terraplanagem, daí seu interesse em intermediar contratos e convênios entre o Cefet e os municípios do interior do Pará. “O réu utilizou seus conhecimentos de auditoria pública para satisfazer sua ambição de lucro, atuando com deslealdade também com o TCM, responsável pelo controle de recursos municipais. A improbidade do réu enriqueceu não somente a si como também a várias outras pessoas”, fulmina a sentença. 
     
Maria Auxiliadora Araújo foi denunciada pelo MPF porque teria desviado R$ 68 mil referentes a um contrato entre o Cefet e a Prefeitura de Tucuruí. “Pessoa mentalizada, instruída, com função de confiança elevada (chefe de gabinete) que empresta a conta bancária particular para movimentações financeiras suspeitas não pode ser considerada inocente”, sustentou o juiz, ao fundamentar a condenação. A denúncia do MPF apontou Francisco Solano Neto como professor substituto do Cefet e filho do proprietário da empresa EBMOE. 
      
Para o magistrado, o réu “atuou de má-fé” junto com a cúpula da Associação dos Professores e Funcionários da ETFPA (Apeti), contribuindo para o desvio de recursos públicos, angariados pelo Cefet e ilegalmente terceirizados para a Apeti, com movimentação bancária fora do Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira). Para exemplificar, repasse de R$ 49 mil que a MLC Terraplanagem Ltda. fez em nome do próprio do réu sequer foi justificado.
           
Nota do Folha: É como sempre afirmamos, um dia a casa cai.
  -------------------------------------   
Atualização 25/03/2014 - Esclarecimento do Internauta Ozorio Pacheco: "A bem da verdade, Maria Auxiliadora Gomes de Araujo, condenada a 10 anos de prisão, citada como chefe de gabinete da PMT¨, nunca trabalhou na PMT. Essa pessoa era chefe de Gabinete do CEFET. Em postagem semelhante no blog da Franssinete, fiz esta observação e foi exclerecido por um internauta a função da referida senhora, servidora do SEFET."
          

2 comentários:

  1. Folha quem era o prefeito nessa ocasião!?

    ResponderExcluir
  2. A bem da verdade, Maria Auxiliadora Gomes de Araujo, condenada a 10 anos de prisão, citada como chefe de gabinete da PMT¨, nunca trabalhou na PMT. Essa pessoa era chefe de Gabinete do CEFET.
    Em postagem semelhante no blog da Franssinete, fiz esta observação e foi exclerecido por um internauta a função da referida senhora, servidora do SEFET.

    ResponderExcluir

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, ou afirmações negativas baseadas em “opiniões” ou suposições, tendo como objetivo perseguições pessoais ou politico partidárias, contra pessoas e/ou instituições, e não em FATOS concretos que se possa comprovar, serão moderados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!