Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

domingo, 25 de março de 2012

Quem disse que o crime não compensa?

Gestores condenados não devolvem verba ao Estado

Nem R$ 1 milhão sequer foi recuperado dos R$ 291 milhões desviados em 10 anos.

Levantamento feito pelo Tribunal de Contas do Estado do Pará (TCE) mostra que, nos últimos dez anos, as irregularidades na aplicação dos recursos públicos causaram um rombo de mais de R$ 291,5 milhões.

O montante representa o total em dinheiro que deve ser devolvido pelos gestores que tiveram as prestações de contas rejeitadas já em última instância pela Corte. Porém, fechar esta torneira não é tarefa fácil.

Apesar da condenação - que dentre outras sanções implica a inelegibilidade destes ordenadores de despesas -, o Estado não chegou perto de recuperar nem R$ 1 milhão neste mesmo período.

Entre os anos de 2002 e 2012, o volume de recursos recuperados pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) foi de apenas R$ 744, 8 mil, o correspondente ao pagamento de 139 condenações. Mas outras 1.454 contas irregulares ainda estão em aberto, à espera de ressarcimento, segundo o TCE.

Isso significa que de cada 10 convênios considerados irregularidades pela Corte de Contas, em apenas 0,26%, o dinheiro foi efetivamente devolvido aos cofres públicos, ou seja, menos de 1% do montante esperado. Fonte O Liberal.
--------------------------
COMENTÁRIO DO FOLHA: Quem disse que o crime não compensa ou é ingênuo ou queria afastar a concorrência. Em que atividade criminosa a não ser no setor público, o sujeito consegue ficar rico em apenas quatro anos desviando grandes quantidades de dinheiro com toda a tranqüilidade, segurança e certeza da impunidade? 

Roubar dinheiro público é muito mais fácil, seguro e lucrativo que sequestro, roubo a banco e tráfico de drogas. Diríamos até que desviar dinheiro público, tem até um certo "glamour" perante uma parcela da sociedade que confunde esperteza e inteligência com falta de caráter, oportunismo e cara-de-pau.
   
A dificuldade para o criminoso é se eleger para um cargo público, de preferência no executivo (Nada que muita mentira e compra de voto não resolva), depois de eleito e já com as chaves dos cofres e o controle do erário público tudo é muito fácil; agradando e molhando as mãos das pessoas certas e contratando um bom escritório de advocacia, é só por a mão na massa e na bufunfa, e começar a superfaturar compras e serviços através de dispensa ou fraudando licitações.
   
Daí é só passar quatro anos tranquilamente engordando a conta bancária, e no fim do mandato será mais um milionário no Brasil, a gozar o dinheiro roubado e a cara do povo.
   
Simples e fácil assim.
   
ISSO É UMA VERGONHA.

Um comentário:

  1. "Seria cômico se não fosse trágico, mas, roubar dinheiro público atualmente está mais fácil que tirar docinho da boca de criança". O povo brasileiro é alegre, pacífico, bonito e maravilhoso, mas tem sua dignidade ofuscada pela omissão. Não tem amor pela sua Pátria. É especialista em cobrar e apontar o dedo, mas não é capaz de ter atitudes, só pensam no agóra, não é capaz de vislumbrar o futuro, não tem coragem de apostar no futuro e na liberdade. Há até quem aplauda esses abutres(nossos algozes representantes políticos). É lamentavel um país tão belo, tão grande e tão rico como o nosso não ter cidadãos capaz de ama-lo suficientemente para protegê-lo. Políticos sem escrúpulos sufocam a nossa tão almejada democracia (hoje muitos brasileiros votam por mera burocracia),o que é pior, transformam o sistema político em uma indústria do crime, cujos seus advogados são justamente aqueles que deveriam está os condenando. O que nos resta meus amigos? Honestamente, não vejo a luz no fim do tunel. Sei onde é a nossa dor, sei qual é a nossa doença, mas não sei onde encontrar o remédio que possa nos curar. Só pra finalizar, tem políticos bons no brasil, mas não passam de vozes que gritam no deserto. E mesmo esses que temos como bons não devemos abrir mão de questionar a sua benevolência, afinal são políticos.

    ResponderExcluir

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, ou afirmações negativas baseadas em “opiniões” ou suposições, tendo como objetivo perseguições pessoais ou politico partidárias, contra pessoas e/ou instituições, e não em FATOS concretos que se possa comprovar, serão moderados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!