Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Casos de câncer devem aumentar no Norte do país

Estado do Pará deve ser o campeão com mais de vinte mil ocorrências.
     
Por: O Liberal
    
O Pará terá este ano a média de quase 24 novos casos de câncer por dia, com destaque para os tumores malignos de próstata, mama feminina e colo do útero. A estimativa é do Instituto Nacional do Câncer (Inca), divulgada na semana passada. Serão mais de oito mil casos em 2014, sendo a maior parte deles (4.520) em mulheres. 
       
Só em Belém, estima-se 3.210 vítimas da doença no total. Segundo pesquisadores do instituto, o índice para este ano no Pará é aproximadamente 12% superior ao valor apontado em 2010, intervalo que registrou um aumento de 910 novos casos. 
    
Os dados colocam o Estado como o campeão entre todos os casos previstos à região Norte, correspondente a 43,1% do total (20.020). Em seguida, estão Amazonas, com aproximadamente metade da incidência paraense; Rondônia, Tocantins, Acre, Roraima e Amapá.
    
Para o Inca, a pobreza é uma agravante no Pará e nos demais estados do Norte do país, porém o Estado é mais prejudicado ainda pela falta de programas de controle e de informação junto à população. 
          
A reportagem procurou a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) para obter informações sobre o controle da doença nos municípios paraenses e os programas de prevenção disponibilizados na rede pública. No entanto, a Coordenação de Oncologia do órgão não tem dados atualizados, apenas os referentes a 2003, os quais também não foram repassados pela assessoria. Até o fechamento desta edição, não houve retorno para esclarecimentos.
     
De acordo com o oncologista clínico Williams Barra, a qualidade de exames preventivos depende de uma rede de saúde pública "eficiente". Como coordenador da Unidade de Alta Complexidade em Câncer (Unacon) do Hospital Universitário João de Barros Barreto e também pesquisador no Núcleo de Pesquisas em Oncologia da Universidade Federal do Pará (UFPA), ele relata que a experiência na área mostra que menos da metade da população realiza exames clínicos antes do aparecimento de sintomas.
   
O especialista acredita que, "mais importante" que procurar um médico ao primeiro "sinal errado", as pessoas devem fazer um rastreamento, se referindo a exames clínicos periódicos para avaliação pré-cancerígeno. Ele observa que o rastreamento ainda é pouco buscado pela população local, mas destaca a importância deste para o diagnóstico precoce. A vendedora autônoma Carmita Rodrigues, de 63 anos, se preocupou com as fortes dores no seio e procurou atendimento médico imediatamente.
    
Há 15 anos, ela recebeu a notícia de que as dores eram provocadas pelo câncer de mama. Foram dois meses entre a descoberta dos nódulos nos seios, através da mamografia, até a cirurgia no Hospital Ofir Loyola (HOL). Ela conta que as dores fortes no seio a fez procurar atendimento numa unidade de saúde em Ananindeua, onde mora, mas a falta de informações angustiou a vendedora que decidiu se consultar em Belém. 
           
Após três madrugadas na fila do Ofir, Carmita conseguiu agendar a consulta no hospital, de onde saiu com as solicitações para a mamografia e exames pré-operatórios. Na semana seguinte, ela retirou a mama e deu início às 45 sessões de radioterapia. "Saí da sala dele (do médico) chorando muito. Falei que ia pensar se ia me operar. Não tinha a informação do quanto a doença era grave. Não tinha esse conhecimento", disse.
     
Com a vida profissional restabelecida e envolvida em atividades promovidas pela Associação do Voluntariado de Apoio à Oncologia (Avao), Carmita faz exames de controle da doença e pensa em reconstituir a mama. Olhando para o que passou 15 anos atrás, ela atribui a cura ao diagnóstico precoce. "Procuro sempre o médico, sempre que sinto qualquer coisa. Peço que as pessoas não esperem os sintomas aparecerem. Muitas vezes, quando aparecem, não tem mais chance de reverter essa doença", acrescentou.
    
Diagnóstico precoce ainda é a melhor forma de encarar a doença
    
Para o rastreamento dos tumores mais incidentes na população, o oncologista Williams Barra informa que a detecção do colo de útero pode ser feita através o exame Papanicolau, disponível em unidades de saúde, e indicado para mulheres após três anos do início da atividade sexual. 
                
Quanto à prevenção de câncer de mama, o recomendado é a mamografia, um exame de diagnóstico por imagem, para mulheres com idade a partir dos 40 anos. "O autoexame é importante, mas a mamografia consegue diminuir o risco de morrer. Quando o câncer se declara, em geral, já está avançado. O autoexame não deve ser desestimulado na nossa população, mas em outros países, com alto acesso à rede de saúde, mostrou-se ineficiente em reduzir o índice de mortalidade", afirmou.
      
No caso dos homens paraenses, cerca de 30% dos tumores malignos estão localizados na próstata, o que remete a uma avaliação por parte de urologista, especialidade médica que cuida do trato urinário de homens e de mulheres e do sistema reprodutor dos homens. Ele informa que o método preventivo é o toque retal para homens com idade a partir dos 50 anos, se não houver histórico da doença na famílias. 
          
Entretanto, se houver casos precedentes na família, o ideal é fazer o exame a partir dos 40 anos. "É uma questão cultural e educacional. É um exame simples, rápido. É um toque simples feito pelo médico (urologista) com respeito. Apesar do desconforto, pode diagnosticar um câncer e ter chance de cura. Em estágios avançados, (o câncer de próstata) pode gerar impotência masculina. O rastreamento é o maior benefício", disse.
    
Nos casos de aparecimento de sintomas, o especialista reforça que a procura pelo médico deve ser imediata. "Um sangramento que não deveria ocorrer, um nódulo que não existe, anemia, emagrecimento e dores. Tudo isso são sinais. Em geral quando aparecem já é estágio avançado. O estágio pré-maligno é o do rastreamento. O problema está no nível de educação. Uma educação da população sobre a saúde teria um efeito de procura à rede de saúde. Existem programas (de prevenção) do Ministério da Saúde, mas falta a divulgação", observou.
     
Ele associa o diagnóstico precoce ao aumento de chances de sobreviver ao câncer. "Quando se descobre um câncer cedo, as chances são algumas vezes maiores que num câncer tardio, além do tratamento, menos sequelas. 
            
Um câncer tardio, além da intensidade do tratamento, é mais debilitante e menor chance de cura", reiterou, informando que cada caso deve ser avaliado em particular, pois os procedimentos médicos dependem do tumor identificado. "O câncer é multifatorial. A maior prevenção continua sendo não fumar, não consumir bebidas alcoólicas, fazer atividade física, controlar o peso, ter cuidado na exposição ao sol", completou.
     
Pescador achava que tinha amebíase
     
Diferente da vendedora autônoma Carmita Rodrigues, o pescador Orivaldo Amorim, de 52 anos, não procurou um médico para saber o motivo da febre, da diarreia e das dores na coluna e no quadril. Ele conta que associou os sintomas à amebíase, resultado de alimentação contaminada. Quando as dores se agravaram, ele saiu do município Augusto Corrêa, onde mora, até Bragança, a 16 quilômetros da cidade. 
           
Isso aconteceu um ano depois do aparecimento dos primeiros sinais do câncer de intestino, quando tinha 45 anos. "Fui em hospitais de Bragança, Capanema e Castanhal. A primeira suspeita foi de câncer de próstata, mas me mandaram procurar ajuda no Ofir Loyola. Doía muito o meu intestino. Tinham muitas vezes em que ia no banheiro e defecava apenas sangue", lembrou.
     
Após cirurgia para retirada do tumor maligno que já tinha sete centímetros e início do tratamento com sessões de quimioterapia no HOL, ele está agora fazendo o controle da doença. "O certo é quando a pessoa sentir os sintomas procurar logo. Eu sentia, mas pensava que era outra coisa. Depois que não aguentei, vi que o negócio era sério. Falta informação para descobrir qualquer doença. Passei dois anos para poder vir. Era para ter ido num médico mais cedo", opinou.
   
Outra - A dona de casa Maria Valéria Ramalho, de 61 anos, também está em tratamento de um câncer, mas o dela é na tireóide. Ela operou o órgão recentemente e espera o início das sessões de quimioterapia. "Quando engolia comida, aparecia um ‘nózinho’. Procurei logo um médico", comentou. Essa não é a primeira vez que Maria Valéria encara a doença. Quando tinha 45 anos, ela descobriu que tinha um câncer abdominal. "Tive hemorragia de repente. Fiquei um ano com uma hemorragia muito forte. 
           
Quando parou fiz exames e deu que eu estava com câncer", conta. As duas experiências com a doença em períodos diferentes mostram a importância do diagnóstico precoce para as chances de vida do paciente. "É importante descobrir cedo e fazer o tratamento", diz.
      

Nenhum comentário:

Postar um comentário

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, ou afirmações negativas baseadas em “opiniões” ou suposições, tendo como objetivo perseguições pessoais ou politico partidárias, contra pessoas e/ou instituições, e não em FATOS concretos que se possa comprovar, serão moderados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!