Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

domingo, 22 de janeiro de 2012

Educação X criminalidade

O Folha repercute matéria do Blog Geocidades, no sentido de reforçar e divulgar a opinião coerente e inteligente do editor. 

O texto fala sobre a importância da educação, na prevenção à criminalidade em nossa sociedade.
    
A Polícia em um dia de greve conseguiu o que os professores não conseguiram e várias semanas.
    
A causa é simples de se explicar: A repressão policial tem resultados eleitorais em curto prazo, pois dá a falsa sensação de segurança aos cidadãos e a impressão de que alguma coisa tem sido feita pelos governos, no entanto a repressão isolada, não resolve a questão da criminalidade. Já a Educação que obtém resultados a médio e longo prazo não interessa aos políticos incompetentes, irresponsáveis e imediatistas, que só pensam em se eleger/reeleger e em se "dar bem", se lixando para a sociedade e para o interesse público.
    
Os professores deveriam se unir e usar a sua maior arma, que é a sua influência sobre a sociedade e formação dos jovens, conscientizem seus alunos e a população quanto à importância da educação, só assim o povo terá maturidade e consciência para escolher melhor seus governantes. 

Só a educação, a união dos educadores e a organização social, pode acabar com a corrupção, alijar os maus políticos da vida pública, e promover a inclusão social, que é sem dúvida alguma o meio mais eficaz para prevenir e combater o aumento da criminalidade.
    
Vejam o texto do Blog Geocidades:
   
"Política equivocada 
   
Autor: Sidnei Rocha 

Infelizmente, o Estado do Pará tem tido, nas últimas décadas, sérios retrocessos na área da educação. 

A recente resposta à greve – ilegal – dos PMs no Estado demonstra uma das possíveis causa para isso: trata-se da inversão de tratamento quanto à questão do combate à criminalidade. Ela tem se dado procurando-se reforçar o quadro de policiais militares e Polícia Civil, especialmente a primeira. 
   
O tratamento da matéria tem sido, portanto, a busca pela repressão, cujo alarde dos programas sensacionalistas, torna aos governantes essa a resposta com maior rendimento eleitoral. 
   
O governo não ataca as causas do aumento da criminalidade. Ataca os fatos consumados. 
   
Nesse quadro, esquece-se que as políticas sociais clássicas são o melhor remédio de médio e longo prazo para evitar esse problema. Dentre elas se destaca acentuadamente o investimento em Educação: melhores salários para os professores, melhor infra-estrutura de trabalho para eles e incentivo constante sua qualificação. Isso resultará, indubitavelmente, em melhores rendimentos dos alunos e geração de oportunidades para eles (os alunos). 
   
Um círculo virtuoso formar-se-á. A correlação é positiva. Mais oportunidades profissionais e pessoais futuras às pessoas (em particular os jovens), consequentemente se refletir-se-á em índices decrescentes de criminalidade. Isso já foi amplamente demonstrado em pesquisas sociológicas e de políticas públicas. A lógica é boa, pois sua conclusão será que o Estado terá de investir menos em repressão. 
   
Porém, infelizmente não é dessa forma que enxergam os nossos governantes, pois embora seja realmente merecido o reajuste obtido pelos PMs, a situação enfrentada por eles é análoga a que têm passado os professores. A desses é pior, pois, hoje, um PM com ensino médio está ganhando mais que um professor com ensino superior. Porém o policial militar é pago para prender bandidos e evitar crimes; já ação do professor é realizada no sentido de evitar que eles venham a existir, porém o tratamento essas categorias em situações análogas tem se mostrado bem diferente. Com sua greve ilegal de um dia os soldados conseguiram bons reajustes; os professores com sua greve declarada ilegal pelo judiciário paraense só conseguiram promessas de cumprimento de um direito prescrito em lei contra a qual os governos estaduais teem lutado ferrenhamente.
   
É bom que se frise que os militares merecem o reajuste, porém os professores por razoabilidade merecem também. E por justiça histórica, talvez mereçam mais. 
   
Porque, então, não lhes atingiu o mesmo tratamento? 
   
Ousa-se responder: em decorrência da visão bisonha dos nossos governantes que sempre tiveram predileção pelos canhões vis-à-vis às canetas. 
   
Em nosso estado, mais valem as balas que os livros. Infelizmente! 
   
(*) Cientista político 

2 comentários:

  1. BOM DIA AMIGO, desculpem me os professores, mais deveriam ter aproveitado a oportunidade da greve dos PM's para protestar tambem.

    ResponderExcluir
  2. Ei aos professore de plantão eu achei onde foi parar parte do abono de vcs, esta na escadaria prestigiando o bloco do minhocão e vir o uns dos carros so senhor *************** com um son de dar inveja a qualquer proprietario de carro de som. detalhe o mesmo se gaba de ter comprado do carro só pro carrega o dito, e fica a pergunta será se o professor citado teria quantia pra comprar esse mimo se nao fosse **************?????
    ------------------
    Nota do Folha - A compra de um carro, mesmo que seja caro e mesmo que a renda do comprador não seja compatível é apenas um indício e não uma prova de que esta pessoa cometeu uma ilegalidade. Portanto tanto a acusação quanto a INSINUAÇÃO de que alguém cometeu uma ilegalidade carece de provas, ou seja, quem acusa ou insinua tem que provar. Este foi o motivo da moderação.

    ResponderExcluir

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, ou afirmações negativas baseadas em “opiniões” ou suposições, tendo como objetivo perseguições pessoais ou politico partidárias, contra pessoas e/ou instituições, e não em FATOS concretos que se possa comprovar, serão moderados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!