Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Assembléia da ASERT discute o calote da Prefeitura de Tucuruí

Souza Presidente da ASERT presta contas das finanças da Associação.
A Direção da ASERT na Assembleia Geral de hoje prestou conta da situação da Associação diante da apropriação ilegal dos descontos dos servidores públicos municipais por parte da Prefeitura de Tucuruí. 
      

De acordo com a ASERT a dívida da Associação no comércio, clinicas, hospitais e laboratórios hoje é de R$ 1.807.848,13 (Um milhão oitocentos e sete mil, oitocentos e quarenta e oito reais e treze centavos), e a dívida da prefeitura de Tucuruí para com a ASERT é de R$ 2.268.264,32 (Dois milhões duzentos e sessenta e oito mil, trezentos e sessenta e quatro Reais e 32 centavos). 
   
Vamos somar a dívida que a Prefeitura de Tucuruí tem direta e indiretamente para com os servidores municipais. 
   
ASERT: R$ 2.268.264,32 
Caixa Econômica (consignado). R$ 2.500.000,00 
IPASET: R$ 18.000.000,00 
   
Total da dívida da prefeitura com os funcionários HOJE: R$ 22.768.264,32 quase vinte e três milhões
    
Sabe quem vai pagar esta dívida? Você cidadão de Tucuruí. SE você pensa que este é um problema somente dos funcionários da prefeitura está redondamente enganado, a dívida é da Prefeitura, portanto de toda a população do município. 
    
Decisões: Foi formada uma comissão com representantes da ASERT, SINSMUT, SINTEP e associados escolhidos na Assembleia Geral. Foi decidido ainda que caso não haja solução, será pedido que a Prefeitura não faça mais descontos em folha de pagamento para associação, sendo que os associados poderão pagar diretamente à associação através de carnês. 
   
Quem precisa de quem? 
   
Muitas vezes é colocado para os funcionários da Prefeitura que a ASERT precisa mais do Prefeito que o Prefeito da ASERT, isso não é verdade, a ASERT ganha porque é mais fácil receber a contribuição dos associados com descontos em Folha, mas ganha o Prefeito que não conseguiria pagar os salários em dia se tivesse que pagar o salário integral do funcionalismo. Hoje o Prefeito paga apenas o valor líquido do salário (Uns 30%) em dia, já os valores descontados (60 a 70%) ele paga quando quer e quando pode, portanto com os descontos a Prefeitura tem um prazo maior para pagar os salários. 
    
Portanto o Prefeito precisa da ASERT, tanto quanto a ASERT precisa da Prefeitura, e tem mais, a ASERT hoje tem mais de dez mil segurados e dependentes, não fosse a ASERT estas dez mil pessoas estariam sobrecarregando a saúde pública, os Postos de Saúde, a UPA e Hospital Regional, portanto a ASERT beneficia indiretamente toda a população de Tucuruí, que sem ela mais dez mil pessoas estariam no SUS. 
   
Ao dar o calote na ASERT, o prefeito Sancler não está prejudicando somente os servidores da Prefeitura, mas TODA a população do município. 
   
A ASERT durante a gestão do ex-presidente Israel (já falecido) moveu uma ação contra a Prefeitura (Processo 0001388-24.2009.8.14.0061 – 1ª vara cível de Tucuruí), tendo a Prefeitura perdido em primeira instância. A dívida que na época era de R$ 231.437,49, hoje com as correções ultrapassa meio milhão de reais. Mais uma dívida que o povo de Tucuruí terá que pagar. 
   
IPASET 
   
O SINSMUT também moveu uma Ação Civil Pública contra a Prefeitura (Processo 0006351-82.2013.8.14.0061 - 1ª vara cível de Tucuruí), questionando as irregularidades na criação da Previdência Municipal. Na segunda faremos uma matéria somente sobre este processo.

     

2 comentários:

  1. Parabéns para os Diretores do Sinsmut e Sintepp que tomaram essa decisão de intervir na cobrança do debito da asert e ajudar resgatar a credibilidade da Asert junto as Clinicas e o Comércios de Tucuruí

    ResponderExcluir
  2. Karaka os Diretores da asert que diziam que era pra vota neles que eles eram amigo do Prefeito ele iria ajudar eles não deram conta de administrar asert são muito incompetentes

    ResponderExcluir

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, ou afirmações negativas baseadas em “opiniões” ou suposições, tendo como objetivo perseguições pessoais ou politico partidárias, contra pessoas e/ou instituições, e não em FATOS concretos que se possa comprovar, serão moderados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!