Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

sábado, 25 de agosto de 2012

Cientistas descobrem como chimpanzés sentem a morte de filhotes

Vídeo em reserva da Zâmbia mostra fêmea descobrindo que filhote morreu e indica que comportamento é similar ao humano.
   
iG São Paulo
   
Imagem do vídeo: mãe toca repetidas vezes no rosto do filhote imóvel.
   
Um vídeo de cinco minutos gravado numa reserva de chimpanzés na Zâmbia mostra que o luto de uma mãe ao descobrir a morte de seu bebê pode ser de cortar o coração, não importa a espécie.
   
O vídeo, gravado em maio de 2010 por cientistas do Instituto Max-Planck de Psicolinguística no Orfanato de Vida Selvagem de Chimfushi, Zâmbia, registrou o comportamento de luto de uma fêmea à morte de seu filhote de 16 meses. Depois de carregar o corpo do bebê por um dia inteiro, ela o deixa no chão, e durante uma hora ela se alterna em se aproximar dele, tocando no pescoço e rosto, e se afastar, observando-o à distância. Depois ela carrega novamente o bebê o leva para um grupo de chimpanzés, e os acompanha enquanto eles investigam o corpo. No dia seguinte, ela não estava mais carregando o corpo do filhote. Veja o vídeo (em inglês):

   
Um dos vínculos mais fortes entre os chimpanzés é o de mãe e filho: as fêmeas costumam carregar os filhotes durantes os primeiros dois anos de vida, e os amamentam até os quatro ou seis anos de idade. Mesmo após o desmame, ambos continuam próximos. Outros cientistas já haviam observado outras fêmeas carregando filhotes mortos durantes semanas, o que mostra que a perda deste vínculo é muito difícil para a espécie.
   
Os cientistas do Max Planck acreditam terem captado o momento em que a mãe descobre a morte do bebê, um feito inédito, que pode colaborar para o entendimento de como os primatas reagem à morte de um ente próximo e o que eles entendem por morte. Mas algunns dos pesquisadores envolvidos no estudo se recusam a interpretar as informações.
   
“O vídeo é muito valioso, porque ele nos força a parar e imaginar o que está acontecendo na mente deste primata,” disse Katherine Cronin, do Instituto Max Planck, uma das líderes do estudo, em um comunicado. “Se a chimpanzé está realmente enlutada ou apenas curiosa a respeito do cadáver, não é tão importante quanto o momento que o internauta vai parar para considerar as possibilidades”.
   
Já Mark Bodamer, da Universidade Gonzaga, em Washington, Estados Unidos, que também participou da pesquisa, não se fez de rogado e deu sua opinião sobre o vídeo: “Era apenas uma questão de tempo que, nas condições ideais, que a reação dos chimpanzés à morte fosse registrada e submetida à análise, que revelou similaridades notáveis com o comportamento humano.”
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, ou afirmações negativas baseadas em “opiniões” ou suposições, tendo como objetivo perseguições pessoais ou politico partidárias, contra pessoas e/ou instituições, e não em FATOS concretos que se possa comprovar, serão moderados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!