Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Campanha pró-divisão abre fogo contra Jatene

Jatene e Wlad, sem comentários...

A ala mais radical dentro das frentes pró-criação dos estados de Carajás e do Tapajós venceu a queda de braços e o programa eleitoral do sim, comandado pelo marqueteiro Duda Mendonça, abriu fogo, na noite de quarta-feira (1º), contra o governador Simão Jatene.

O programa que foi ao ar vinha sendo ensaiado há pelo menos uma semana, mas dentro das frentes separatistas, aliados do governo resistiam à ideia de bater diretamente no governador como estratégia para tentar angariar votos.

Em uma reunião na manhã de terça-feira, no hotel Sagres, onde funciona o quartel general dos separatistas, os mais reticentes, contudo, foram convencidos a seguir a estratégia do ataque direto. Na reunião com onze pessoas entre políticos e a equipe do marketing, comandada por Duda, houve apenas um voto a favor do governador.

Ontem à noite, uma apresentadora abriu o programa de TV falando dos problemas do Estado. Disse que a responsabilidade é do governador. Entraram depoimentos de pessoas que o acusaram de só aparecer para pedir votos.

Depois, a mesma apresentadora afirmou que os problemas do Pará são resultado da lei Kandir, que desonerou as exportações e acusou Jatene de ter “agido como Pilatos”, quando deveria ter se posicionado contra a medida, que entrou em vigor no governo do aliado tucano Fernando Henrique Cardoso.

O programa seguiu dizendo que Jatene “inventou” agora o projeto que taxa a extração de minérios (aprovado ontem nas comissões da AL) para enganar o povo e levar o voto pela não criação dos Estados. No final, o golpe mais forte: a peça publicitária fecha com o slogan “diga não ao Jatene, diga sim para mudar”.

CAMPANHA

A mudança de tom teria sido provocada pelos recentes movimentos de Jatene que deixou a posição de neutralidade e, segundo os partidários do sim, teria entrado de cabeça na campanha do não.

Os indícios, segundo eles, estariam nas viagens ao interior, nas entrevistas em que reforça os argumentos contra a divisão do Estado e, principalmente, na insistência para que seja aprovado, agora, às vésperas do plebiscito, o projeto que taxa a mineração.

Teria pesado também a favor dos contrários ao governo, o conteúdo do programa oficial de rádio do governador e a participação de pessoas do alto escalão na campanha do não, especialmente nas redes sociais.

“A gente não bateu no governador. O governador é que vem batendo na gente”, disse Duda Mendonça, ao explicar as razões da mudança de rota. “Olha, não quero discutir, porque não sou político, não sou do Pará. Estou fazendo marketing, o melhor que posso, mas nada do que foi dito é mentira”.
Para Duda, Jatene escolheu um momento infeliz para lutar pela taxação dos minérios. “Se não fosse com finalidade eleitoreira, esperaria mais uma semana”. Indagado se vai manter a linha contra o governador, Duda definiu a campanha como um jogo de xadrez. “Não temos uma linha. Vamos avaliando”.

Responsável pela campanha do não, o marqueteiro Orly Bezerra classificou o programa como “baixaria fruto de desespero”. “A campanha do sim não emplacou porque não trata a verdade. É raivosa e desrespeitosa com o povo.

Agride a população e abala a autoestima”, acusou, afirmando que pedirá direito de resposta no programa. “Já ouvi do próprio Duda que quem bate perde. Mas ele é que o papa. Eu sou só papachibé”, ironizou Bezerra.

O deputado federal Giovanni Queiroz (PDT), aliado do governo e da frente Pró-Carajás, disse que só viu o programa quando foi ao ar, mas afirmou que as questões foram “mostradas corretamente”. Segundo ele, a decisão de “mostrar a verdade” foi do marketing da campanha.

“Eles (a equipe do marketing) entenderam que tinha que revelar essas questões ao povo”. Para Queiroz, o tom da campanha não deve comprometer a base aliada do governo pós-plebiscito. “Depois vem Natal, férias, os ânimos arrefecem”. Indagado se haverá conserto para a base aliada depois de 11 de dezembro disse que “não há o que consertar”. “Não tomei essa decisão sozinho. Somos um grupo de quase 20 deputados nas duas frentes. Há prefeitos, lideranças”, concluiu.

Nenhum outro aliado quis comentar o programa. Pedindo para não ser identificado, um deputado estadual da base governista que atua em uma das frentes disse que ainda estava “digerindo o programa”. O governo não se manifestou até o final desta edição. (Diário do Pará).

Opinião do Folha

É lógico e evidente que esta Lei que taxa a mineração é eleitoreira, assim como a “descoberta” de uma imensa jazida de ferro em Tucuruí. Tudo orquestrado, mais uma vez Jatene e Sancler se unem para enganar a população. É claro também que este posicionamento do Jatene terá conseqüências e um custo político para a reeleição do Jatene e para as eleições municipais do próximo ano.

Quem viver, verá.

6 comentários:

  1. Até que enfim, graças a Deus, a mascara do Jatene caiu.
    O povo não é idiota.
    O nariz de pinóquio irá pagar caro por ir contra a vontade do povo de Carajás e Tapajós.

    ResponderExcluir
  2. de que adianta dividir o estado, se acorrupção continua, o proble é de má gestão, mal uso do dinheiro público,ou seja o desvio e o roubo de dinheiro público,até em municipios onde a renda é menor, ´só fazem isso porque não são punidos,,não adianta iludir o povo com uma história de terra prometida que não existe, eles só estão pensando no bolso deles.

    ResponderExcluir
  3. acho que nenhum destes políticos estão pensando no bem estar da população, esse geovanni queiroz deveria dividir o estado de onde ele veio, esse duda mendonça deveria dividir a bahia, que é para onde ele já deveria ter voltado, coitado do povo que fica a mercê desses xxxxxxxxx!

    ResponderExcluir
  4. A corrupção tem que ser combatida acontecendo ou não a divisão do Estado. Essa conversa de que a divisão é pra beneficiar alguns políticos dessas regiões é papo furado de campanha de quem não tem argumento contra os fatos concretos e escancarados das regiões do Carajás e Tapajós, duas regiões esquecidas pelos governantes que passam e nada fazem por Carajás e Tapajós. São décadas e mais décadas de esquecimento, lembrando de nós quando é pra levar a grande fatia do bolo e nos deixando com migalhas. Agora vem esses senhores da campanha do "não" dizer que vão melhorar as coisas, mudar as políticas públicas e bla bla bla, tudo conversa fiada. Esses senhores que se posicionam contra o desenvolvimento dessas regiões serão lembrados nas eleições próximas com certeza, lembrados para que não levem nossos votos. Peço a Deus para que esse povão dessas regiões que querem o desenvolvimento, respeito, moradia, educação, saúde, segurança, empregos dignos e outros, lembrem-se dos políticos que são contra os Estados de Carajás e Tapajós e NÃO VOTEM NESSES SENHORES, façam como eu vou fazer, colarei uma lista com foto e nome dos políticos que são contra a divisão, que são contra o bem estar desse povo sofrido porém guerreiro.
    EU VOTO SIM (77) para um Pará gigante em igualdade social e desenvolvido e não um Pará lembrado por suas mazelas e desigualdades !!

    Lincon

    ResponderExcluir
  5. Jatene e wlad são farinha do mesmo saco.

    ResponderExcluir
  6. Se for pra ficar longe dos falastrões,wlad e jatene eu votar sim 77 carajás neles...

    ResponderExcluir

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, ou afirmações negativas baseadas em “opiniões” ou suposições, tendo como objetivo perseguições pessoais ou politico partidárias, contra pessoas e/ou instituições, e não em FATOS concretos que se possa comprovar, serão moderados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!