Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Juízes criticam atuação contra corregedoria do CNJ


Juízes federais incomodados com a atuação da associação que os representa, a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), estão usando o grupo de discussão online da própria entidade, para criticá-la. A Ajufe é uma das signatárias da ação que suspendeu, na última segunda-feira (19), a investigação sobre a evolução patrimonial de magistrados e servidores do Judiciário.

Um dos juízes que enviou mensagem aos colegas é o titular da 3ª Vara Federal de Campo Grande, Odilon de Oliveira, que apura crimes financeiros e de lavagem de dinheiro. Ele reclama do fato de a Ajufe não ter consultado seus filiados antes de adotar a posição contra a corregedoria.

“O presidente da Ajufe tem a prerrogativa de publicar notas, mas como esse tema envolve interesse de todos os juízes, teria a necessidade de ter consultado os associados. Acho que a posição da Ajufe conjunta com a AMB [Associação dos Magistrados Brasileiros], foi agressiva, desproporcional, e não baseada em prova de que houve quebra de sigilo”, disse à Agência Brasil.

Ele também acredita que Eliana Calmon passou a ser atacada porque começou a investigar a “elite” da Justiça. “Investigar a elite dói. Há reação da própria elite, que começa a acusar o investigador e procurar formas de derrubá-lo”, argumenta. Para Oliveira, o acesso a dados sigilosos de juízes deve ser irrestrito ao órgão de controle porque os magistrados recebem do Estado e têm "a enorme responsabilidade de lidar com o patrimônio alheio".

O juiz titular da 1ª Vara Federal de Bauru (SP), Roberto Lemos, também disse à Agência Brasil que usou o grupo de discussão da Ajufe para mostrar que não concorda com a entidade. “Indaguei porque o presidente da associação está questionando um ato legítimo da corregedoria nacional de investigar e apurar problemas, em uma briga que não é dos juízes federais”. Ele também diz que não foi consultado pela entidade sobre o caso.

Lemos, que foi auxiliar do CNJ na gestão passada, diz que a corregedoria vem atuando em casos difíceis de serem investigados pelos tribunais locais, como nepotismo e situações de assédio sexual em banca de concurso. Ele acredita que sem o trabalho do CNJ, os maus hábitos se perpetuariam. “Não consigo entender a quem interessa isso [impedir a fiscalização de juízes]. Quem não deve não teme”. (Agência Brasil)
-------------------------


Opinião do Folha - É verdade, quem não deve não teme, nenhum servidor público e nenhuma pessoa de bem teme ser investigado. Acreditamos que os Juízes sérios que felizmente são maioria no judiciário não têm porque temer investigações do CNJ. Quem teme é lógico que quer continuar tirando vantagem do corporativismo que incentiva e promove a impunidade.


Todos deveriam ser iguais perante a Lei, SEM EXCEÇÃO.

Atitudes como estas de ataques e tentativas de esvaziamento das prerrogativas do CNJ, que tem feito um excelente e reconhecido trabalho de resgate da imagem do Poder Judiciário, não contribuem em nada para com a imagem da instituição e para com a democracia.

Isso é lamentável.

2 comentários:

  1. é muito bom esse essa briga para que assim agente ver que corruptos não são so os politicos.
    ---------------------
    Nota do Folha - Não precisa de briga para chegar a esta conclusão. A corrupção está em todas as instituições em todo o mundo, ela faz parte da natureza humana.

    A corrupção se manifestou até mesmo entre os apóstolos do Cristo representada por Judas Iscariotes, e olha que foi o próprio Jesus Cristo filho de Deus quem escolheu os apóstolos um a um.

    O problema não é ter corruptos nas instituições, a questão é o que estas instituições fazem com eles.

    Só existem duas opções: ou as instituições abafam os escândalos e denuncias em nome do corporativismo, ou elas punem os corruptos.

    Esta é a diferença.

    ResponderExcluir
  2. discordo da folha é bom essa roupa suja,para conhecer melhor,pobre vai o juizes julgam isso nunca tinha vindo a só se via falar

    ResponderExcluir

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, ou afirmações negativas baseadas em “opiniões” ou suposições, tendo como objetivo perseguições pessoais ou politico partidárias, contra pessoas e/ou instituições, e não em FATOS concretos que se possa comprovar, serão moderados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!