Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

domingo, 19 de setembro de 2010

A necessidade da “pura mídia” ou mídia livre.



Texto enviado por e-mail
 
O controle da mídia no Brasil, não resta à menor dúvida, esta (va) concentrada nas mãos de meia dúzia de famílias, as quais, merce de seus intere$e$ econômico$ faz (ia) o que quer (ia). Dentro da máxima de “liberdade de imprensa”, fabricam escândalos; promovem bandidos; falseiam com a verdade; dissimulam; mentem e com todo cinísmo perculiar, tentam reverter tendência eleitoral em cima da própria mediocridade. Como diz um adágio popular “não querem largar o osso”. 
 
Foi-se o tempo em que a poderosa REDE GLOBO DE TELEVISÃO, REVISTA VEJA e a turma do “PIG” elegiam ou derrubavam presidentes, davam as ordens no Congresso e no Senado, faziam com que as leis fossem aprovadas de acordo com sua sede incansável pecuniária e ao sabor de suas vontadas inconfessáveis. 
 
O que foi que mudou? 
 
A proliferação da mídia alternativa, através das redes públicas de televisão (Tvs Comunitárias, Educativas, Legislativas, Universitárias,etc) ; blogs; redes sociais; websites, jornais regionais e até mesmo a Empresa Brasileira de Comunicação – EBC (TV Brasil), começaram a merecer o respeito do povo em geral. A mídia mercadológica, por sua incoerência e destacada afinidade para a mediocridade, acabou por ser vítima do próprio golpe. Não existem “vaquinhas de presépio”, acabaram-se as “massas de manobra” e o povo acredita mais nas articulações de quem realizou em benefício deste mesmo povo. 
 
E neste patamar encontra-se o presidente Lula que conseguiu esta proeza de transformar a vida de milhares de pessoas. A alta estima do brasileiro está em alta. Sua crença e confiança em uma política social de resultado fazem com que caminhem na direção indicada pelo presidente na continuidade de seu Programa de Aceleração – PAC, que para desespero de alguns, provou que foi a melhor coisa que já aconteceu nesta terra de Cabral. 
 
Fatores sociais contam nesta hora e a mudança de um número significativo de pessoas da linha da pobreza para a classe média, e esta por sua vez, elevando-se na condição de melhoria econômica, com o poder de compra acentuada, onde já adquire computadores, internet e meios afins, passou a falar por sí próprio sem sofrer a influência nefasta de um oligopólio que tantos prejuízos trouxeram a nação brasileira. E paralelo a isto, a MÍDIA LIVRE caminha com celeridade, de cabeça erguida, com a cumplicidade de quem sempre sonhou que houvesse a verdadeira democratização da comunicação neste país. 
 
O que o PIG mais teme, é perder o bolo midiático, este latifúndio governamental que por tantos anos foi o principal filão de cada veículo de comunicação destas abastadas famílias mercadológicas. A possibilidade de Dilma Rousseff modificar a regra do jogo, estendendo para as mídias do campo público uma fatia maior do bolo publicitário, faz com que os donos de veículos de grande porte entrem em pânico e usem de todos os meios sórdidos para tentar barrar esta ascenção da futura presidente. 
 
Vem aí a votação do PL 29, com sensíveis modificações, dentro de um cenário mais animador, fora do controle desta mídia velhaca que estara definitivamente desmoralizada e desacreditada. A realização da Conferência Nacional da Comunicação e seus avanços, fez recrudescer nos barões da mídia o ódio pela mídia livre e seus realizadores. Sabem que os avanços apontados nesta conferência irão subtrair deles o latifúndio governamental de polpudas verbas que eram antes destinadas somente a eles mesmos. O governo futuro não mais irá subsidiar a baixaria e promover a mídia nojenta e inescrupulosa. 
 
A Eleição de 2010 é o fio condutor de um novo tempo, onde haverá a valorização dos que trabalham pela construção de um país mais sério, na produção de notícias e fatos jornalísicos reais, sem invencioníces ou alarmistas. Haveremos de ter uma mídia responsável e que fale a lingua deste povo, cujo ator principal, serão eles mesmos, dentro da regionalização de conteúdos, da valorização do produtor independente e no resgate de uma cultura rica que se encontrava escondida. 
 
Podemos antever um Brasil apartadado de seus tutores maléficos, que durante décadas deram o tom que o povo tinha de dançar. E o povo vai poder sorrir mais livremente, impunemente e zombar do PIG e seus asseclas promovendo a assepsia que precisa ser efetuada para o bem do país. 
 
A verba publicitária do governo federal e suas autarquias deverão deixar de ser o protagonista que financia a podridão moral destes veículos e servirá de combustível para alavancar a mídia livre, sensata e descompromissada com os interesses venais próprios da mídia mercadológica. 
 
E sabe por que esta convicção? Porque na mídia livre há pessoas sensíveis que foram transformadas em Pontos e Pontões de Cultura, Tuxuauas, Griós revelados; mestres e luthiers de destaque em sua área de atuação. Porque o programa CULTURA VIVA, do Ministério da Cultura, o “Do in Cultural” sonhado pelo ex Ministro Gilberto Gil, brilhantemente dirigido pelo Juca Ferreira e idealizado pelo ex Secretário da Cidadania Cultural, Celio Turino, trouxe revelações espetaculares. O Brasil foi desescondido, revelado e passado a limpo. Através da Cultura, esta assepsia que tanto precisava foi feita em uma revolução muda e silenciosa, cujos resultados poderão ser conferidos a partir de 03 de outubro de 2010.  
 
Mário Jéfferson Leite Mello é jornalista, radialista, consultor organizacional para o terceiro setor, diretor presidente da FRENAVATEC – Frente Nacional pela Valorização das TVs do Campo Público e diretor presidente da TV CIDADE DE TAUBATÉ, emissora comunitária. Também é gestor do Ponto de Cultura “Fábrica de Documentários”; Ponto Mídia Livre “Resgate Folclórico”, Pontão de Cultura “Rede Central de Mídia – produçao e distribuição cultural” e Lan House Social

4 comentários:

  1. Mais um membro do governo não resistiu ao escândalo político envolvendo uma suposta rede de corrupção operada desde a Casa Civil da Presidência da Republica.

    Depois de Erenice Guerra e dois de seus assessores diretos, veio ao chão Eduardo Rodrigues, diretor de Operações dos Correios, cuja carta de demissão será entregue hoje ao presidente da estatal.

    É o patrimonialismo impregnado na República que faz agua: segundo reporta “O Globo”, Rodrigues misturou negócios pessoais com a função pública, ao “defender interesses da empresa de transporte de cargas Master Top Airlines (MTA) junto ao governo.”.

    Mas, tudo não deve passar de futricas da “imprensa golpista”.

    Postado por Parsifal Ponte

    ResponderExcluir
  2. Nada foi provado ainda, foi feita a denuncia, as investigações estão em curso e deverão apurar as responsabilidades.

    O Parsifal é suspeito para emitir opiniões sobre o governo petista. É só olhar em seu Blog para perceber o seu posicionamento, e a sua virulenta oposição ao PT.

    Além do mais quem defende um político como Jader Barbalho e é contra a aplicação do Ficha Limpa, não tem credibilidade para discutir o tema corrupção.

    ResponderExcluir
  3. Valeu, Folha! Parabéns!! Só queria destacar uma leitura interessante e quem tudo a ver com o momento político, tanto local como nacional: HONORÁVEIS BANDIDOS, do clarividente Palmério Dória; leiam e confiram, é simplesmente um deleite.

    ResponderExcluir
  4. Interessante a leitura, mas ela nos leva a acreditar que a corrupção está circunscrita a um partido e a um grupo político, o que não é verdade. A corrupção está disseminada em todos os partidos e em todas as instituições, SEM EXCESSÃO.

    Vamos analisar uma situação: Um determinado partido político tem conhecimento de que está havendo corrupção em determinada instituição, seja ela Prefeituras Governos Estaduais ou mesmo no governo Federal.

    Pois bem, este partido decide colocar estas denuncias na geladeira para tirar proveito delas no período eleitoral.

    Qual a diferença deste partido e as pessoas que ele denuncia. Nenhuma, são todos corruptos, criminosos e canalhas.

    ResponderExcluir

IMPORTANTE: Comentários contendo ofensas pessoais, palavrões, denuncias sem provas, racismo, homofobia, misoginia, discurso de ódio e intolerância de qualquer tipo, serão moderados e publicados ou excluídos a critério da Equipe Folha. Evite também escrever em caixa alta (Letra maiúscula).

Agradecemos pela sua participação.

Um grande abraço!!!